Notícias   



Taques conhece estudo para perfuração de poços em MT elaborado pela ANP

Aumentar o texto: A- | A+
Mato Grosso entrou na rota de estudos da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que visa estudar o solo para saber se há indícios de gás ou mesmo petróleo. O diretor da ANP, Aurélio Amaral apresentou ao governador Pedro Taques e ao secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Tomczyk, o trabalho que foi elaborado pela agência.
Ao todo, a ANP já investiu R$ 360 milhões nos estudos em Mato Grosso. Foram perfurados cinco poços no Estado com quatro mil metros de profundidade cada. “São poços tem por objetivo estudar a bacia sedimentar. O que estamos trazendo é a contratação da ANP da Bacia Sedimentar do Parecis, praticamente toda ela, mais ou menos 80% no Estado de Mato Grosso, com o objetivo de estudar, através de sismo, a geologia do Estado para saber se existe gás ou até mesmo óleo”, disse o diretor Aurélio Amaral.
Ao todo, seis projetos já foram concluídos, mas nada pode ser comercializado, uma vez que os recursos do solo pertencem à União, responsável por fazer a licitação de exploração. “Havendo indícios fortes, e há grandes indícios, a ANP pretende colocar a área para as próximas licitações (de exploração), e uma licitação deve ocorrer já em 2018”, garantiu.
O governador Pedro Taques destacou que os estudos são importantes e ajudam Mato Grosso a depender mesmo da compra de gás internacional e assim surge como nova fonte de riqueza do Estado. “É um investimento alto. Já foram gastos R$ 360 milhões e acredito que isso não foi à toa. É uma nova fonte de energia e pode auxiliar na produção de fertilizantes agrícolas, como a ureia”, disse.
O secretário Ricardo Tomczyk ressaltou que o estudo é moderno e os indícios da existência de gás são muito grandes. Diz que com a incidência comprovada, os estudos buscam avaliar o volume de gás no solo. “Se isso se confirmar em volumes viáveis de comercialização, será uma notícia muito importante para Mato Grosso, visto que o gás natural é uma das fontes de energia mais barata e sustentável. Além do gás da Bolívia, nós teremos o nosso próprio gás”, avaliou.
Estudos
O presidente da ANP aproveitou a reunião com o governador para alertar a população de que os caminhões que fazem os estudos no Estado não provocam qualquer dano às residências ou mesmo às rodovias. Segundo ele, a população pode ficar despreocupada, uma vez que os caminhões emitem vibrações sonoras que vão ao subsolo e retornam aos equipamentos.

Leia mais em:
Fonte: www.folhamax.com.br  

 » Notícias Relacionadas

  15-09-2017 Água mineral que tem 100% do lucro revertido para projetos sociais chega à MT; arrecadação passa de R$ 600 mil.
  15-09-2017 Mitos e verdades sobre a gestão da água no Brasil.
  04-09-2017 Maior açude do Ceará, Castanhão chega a menor volume de sua história.
  04-09-2017 Alunos do Senai de Corumbá desenvolvem espessador para indústria da mineração.
  29-08-2017 Alegrete conclui perfuração de mais dois poços na zona rural da cidade.
  29-08-2017 Estado pede R$ 2 bi para abastecimento de água e esgotamento sanitário.

 

Parceiros


Publicidade