Notícias   



PROPOSTA DE ÁLVARO DIAS PARA DEBELAR AS SECAS NO NORDESTE É OUSADA

Aumentar o texto: A- | A+
Em sua passagem pela capital potiguar (Natal-RN), o Senador Álvaro Dias, pré-candidato à Presidência da República, em palestra proferida na FIERN – Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte - criou uma expectativa no mínimo curiosa e ousada, como política de combate às estiagens prolongadas na região do semiárido, área que abrange seis Estados, castigados pela falta de chuvas, invernos irregulares e crise no abastecimento de água para consumo humano e animal.

Desde o Império, que este fenômeno climático foi constatado, e se busca uma solução de convívio do homem com a seca, através de inúmeras ações. Construção de grandes barragens, perfuração de poços e perenização de alguns pequenos rios, todos foram insuficientes para evitar o constante êxodo a cada duas décadas.

O Rio Grande do Norte tem em sua história e memórias, uma das maiores tragédias humanas do século XIX provocada pela longa estiagem e uma seca hidrológica no ano de 1877. Seca hidrológica é um período de 12 meses sem cair uma única gota de água dos céus. O Imperador Pedro II mandou comunicar as regiões atingidas por quatro anos de chuvas raras – interiores da Paraíba e Ceará – que estaria enviando um Barco (Navio) de alimentos para debelar a fome. Toda a população destes três estados se dirigiu para Mossoró-RN – num período que ainda não existia o automóvel nem o trem – através de longas caravanas em lombos de cavalos, burros e carroças puxadas por bois. O Barco veio até o porto de Areia Branca – distante trinta Km de Mossoró-RN – e não conseguiu atracar por conta do seu “calado” (fundo do barco) que encalharia no porto de profundidade rasa. Destinou-se a Fortaleza – trezentos km de Mossoró - onde descarregaria os alimentos. A cidade que tinha três mil habitantes se viu cercada por mais de 120 mil pessoas. Mortes por fome e sede aliaram-se a tifo vitimando mais de 100 mil pessoas. Os que foram buscar o alimento, nunca voltaram. Por falta de pasto para os animais e água, morreram todos de fome e sede no trajeto. Talvez o Senador Álvaro Dias, desconheça esta história, e daí, não ter a dimensão do anúncio feito e a expectativa criada no Rio Grande do Norte.

Pelo visto, o presidenciável repetirá a façanha do “ovo de Colombo”. Há décadas que se luta por uma transposição das águas do São Francisco, que teve suas obras iniciadas desde 2008 e só ano passado alcançou um dos seus trechos - Cariri Paraibano - chegando ao reservatório (barragem) Epitácio Pessoa. Esta água vem para garantir o abastecimento da cidade de Campina Grande-PB (500 mil habitantes) e mais 48 municípios em seu entorno. Porém, no sertão da própria Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, as obras ainda se arrastam e pelo visto, estão longe de serem concluídas. É bom que se ressalte que as águas do São Francisco perenizarão alguns rios, todavia, se faz necessário à construção de centenas de km de adutoras em cada Estado, levando o “líquido precioso” nas áreas mais carentes e de baixa pluviometricidade, mesmo nos períodos invernosos.

Será que o Rei do Forró, saudoso Luis Gonzaga inspirou o Senador Álvaro Dias? Em um dos seus sucessos, um trecho da música canta que “o sertão vai virar mar...”. Senador Álvaro Dias não está prometendo nada de absurdo. Nos dias atuais, mais de 300 milhões de pessoas se abastecem de águas dessalinizadas. Este invento foi testado na prática na guerra de George Bush contra Sadan Hussein na retomada do Kuwait e invasão do Iraque. As tropas Americanas tinham dessalinizadores portáteis.

Resta saber o custo, tecnologia e know-how para que o projeto seja viabilizado. E quanto as águas do “velho Chico”?

Leia mais em: http://www.colunapolitica.com.br/2018/06/proposta-de-alvaro-dias-para-debelar-as.html

 » Galeria de Fotos
 


Fonte: www.colunapolitica.com.br  

 » Notícias Relacionadas

  17-08-2018 Paraiso: Funasa inicia perfuração de poço artesiano no assentamento Mateira.
  17-08-2018 Olinda ganha nova adutora para ampliar oferta de água na cidade.
  16-08-2018 Mais de 80 cidades mineiras estão em situação de emergência por causa da estiagem.
  14-08-2018 Abastecimento de água não dá conta do aumento da população em São Paulo.
  14-08-2018 Para reivindicar abastecimento de água, moradores fecham rua de acesso ao lixão em Cruzeiro do Sul.
  13-08-2018 Alter do Chão vai ganhar poços e 24 km de rede de abastecimento de água.

 

Parceiros


Publicidade